TEMPO DE MATURIDADE

Atualizado: 10 de Dez de 2020


Somos um povo fiel a Deus e precisamos continuar no caminho da santificação. Somos o povo da brecha e da transformação. Vamos amadurecer em nosso engajamento e acelerar nossas estratégias de ocupação e influência do Reino. Deus tem um propósito para nossa nação e por isso estamos intercedendo e nisto devemos perseverar.


Vamos nos arrepender e renunciar individualmente e coletivamente os seguintes pecados que eventualmente tenhamos cometido antes, durante e posteriormente a este período eleitoral como Igreja de Cristo.

  1. Inimizade com os irmãos;

  2. Ódio, raiva, mentiras; boatos e fofocas compartilhadas e passadas à frente por redes sociais e outros meios de comunicação e influência;

  3. Divisão e contendas na guerra cultural;

  4. Ferida emocional de inimizade;

  5. Confusão nas reações, nas ideias e atitudes de indivíduos;

  6. Partidarismo ideológico, paixão por bandeiras ideológicas;

  7. Ignorância do papel da Igreja e desconhecimento da soberania divina;

  8. Crítica pela crítica;

  9. Frustração e fracasso;

  10. Alimentar o sentimento de rejeição aos pobres, ignorantes, etc.;

  11. Sentimento de orgulho e superioridade;

  12. Revolta e indignação dos que não ganharam nas eleições;

  13. Medo e insegurança;

  14. Decisões precipitadas baseada em más notícias ou notícias falsas.

Profetizando uma nova atitude.

  1. Unidade maior do remanescente da Igreja;

  2. Perseverança na oração governamental e ocupação de uma igreja madura nas áreas de influência;

  3. Conhecer e cultivar a visão (cosmovisão) bíblica dos sistemas da sociedade;

  4. Discernir a exposição da cultura de manipulação;

  5. O entendimento do papel da Igreja e sua ação na sociedade.

Pensando à luz da Bíblia.

  1. Devo sim participar politicamente e ter consciência dos meus deveres e direitos como cidadão da nação;

  2. Devo denunciar a injustiça e a corrupção nos órgãos competentes e me juntar a outros quando for o caso em cada instância. Evitando ser cúmplice de difamação, calúnia, fofoca, juízo temerário etc.;

  3. Devo me engajar na transformação da nação em unidade com a Igreja usando estratégias bíblicas e justas;

  4. Buscar capacitação nas áreas de governo e leis e desenvolver isso na vida da Igreja, trabalhando princípios e valores e o conhecimento dos direitos civis;

  5. O sistema mundo tem modelos de regimes políticos que quando aplicados trazem partidarismo e divisão na sociedade, e a Igreja cada vez que participa sem o devido discernimento, sai muito mais enfraquecida;

  6. A única força capaz de resistir e vencer o sistema é a verdadeira Igreja, a Noiva fiel a Cristo;

  7. Porque elegemos como nação as ideias que nos governam agora?;

  8. Estamos ensinando o povo brasileiro a pensar e a transformar pela verdade e justiça do evangelho a vida das pessoas?

Conselhos

  1. Tenha muito cuidado ao expor sua vida nas redes sociais;

  2. O que motiva você a divulgar sua individualidade publicamente?;

  3. Procure checar as informações antes de compartilhar nas redes;

  4. O que ouvimos (injustiça, corrupção, mentiras, etc.) pode nos afetar e nos tirar a sobriedade;

  5. Você é da fileira dos que estão na brecha, que intercedem pelos erros e fraquezas da sociedade, da Igreja e de indivíduos. Daqueles que não são juízes, apesar de terem que julgar a si mesmo e as questões públicas;

  6. Até que ponto o senhorio de Cristo nos permite participar de contendas?;

  7. Cristãos devem saber que utopias ideológicas não devem ser uma opção para assumirmos diante da causa do Reino. Investigue o que a Bíblia fala das ideologias humanas.

Como um sentinela mantenha-se vigilante quanto a sua sobriedade, discernindo palavras proféticas, entendo mais do Reino de Deus, sabendo que Deus ouviu as nossas orações que foram feitas segundo a sua vontade. Estamos no caminho de amadurecer nossa participação politica, ainda temos uma boa jornada pela frente, desde os líderes da Igreja, passando por candidatos e eleitores evangélicos.


Por Hudson Medeiros